Materias

Mucca / Studio Boscardin.Corsi Arquitetura


Mucca / Studio Boscardin.Corsi Arquitetura

Do vigésimo andar, no centro de Curitiba e com 180° de pano de vidro, a paisagem é de encantar!

A cidade - vista de cima - deveria se incorporar ao projeto, e este jamais competir com ela. Esta foi a conclusão a qual chegamos ao primeiro instante em que pisamos nesta sala corporativa.

Encontrada para ser a nova sede do escritório – em expansão, de uma empresa de criação e desenvolvimento de plataformas digitais - estava pronta para receber um projeto que priorizasse as relações interpessoais, o descanso e lazer e, é claro, o trabalho concentrado em frente aos computadores. E o quanto trabalhar em um ambiente interessante e descontraído ajuda no rendimento do funcionário? Acreditamos que muito!

O ambiente leva um ar industrial e algumas pitadas vintage, referências muito fortes em ambientes despojados de trabalho pelo mundo a fora que já adotam este estilo de trabalhar mais descontraído a mais tempo do que o Brasil.

Para a conexão entre o ambiente interno e externo, a qual se notou ser importante desde o primeiro instante, foram imaginadas algumas situações:

No coração do escritório foi criada uma praça central onde a árvore Jabuticabeira é a primeira a ser vista ao entrar no escritório e, ao fundo, um volume em Aço Corten esconde o núcleo dos banheiros. Este material é próprio para ficar ao tempo, em áreas externas e foi projetado com perfurações assimétricas personalizadas para o escritório.

O forro ripado em madeira natural e o piso elevado também em madeira trazem aconchego e a natureza para o interior do escritório corporativo.

Chama a atenção o pendente de Heras na sala de reuniões, executado sobre eletrocalhas pretas e grade metálica perfurada, ambos suspensos da laje através de cabos de aço. A sensação é de uma enorme forração paira sobre todos que estiverem ali dentro.

Optou-se em manter a laje superior em concreto aparente e suspender eletrocalhas pretas por todo o escritório - responsáveis pela distribuição da iluminação. Está dividida em circuitos e tipologias como os pendentes lineares e funcionais sobre as estações de trabalho, os pendentes decorativos sobre a grande mesa de jantar – e de trabalho, e os spots direcionados para a iluminação geral do ambiente.

Posicionadas de maneira a estarem sempre voltadas para a vista lá fora, as estações de trabalho foram projetadas em estrutura metálica e chapas em MDF, com uma canaleta ao meio para a fiação dos computadores ali correrem e se organizarem. A ideia é que hoje cada mesa atenda 8 pessoas podendo comportar até 10.

Os sócios da empresa priorizaram os momentos de interação e convivência entre os funcionários. Por isso, uma grande área de café, estilo cafeterias americanas é um dos pontos chave do projeto. Vigas em madeira natural, revestimento subway tile – como nos metrôs, e acabamentos em marcenaria preta são alguns dos itens utilizados.

Um ambiente corporativo não precisa ser pensado com tanta seriedade. Muitas vezes a qualidade do espaço físico e o conforto do funcionário ditam a qualidade do trabalho realizado. 

Créditos: www.archdaily.com.br

Clique nas imagens para ampliá-las.